Menos Impostos

Trabalha-se cada vez mais para manter os governos. E cada vez mais para comprar os serviços privados que, em tese, deveriam ser públicos. Eis a essência da nossa indignação

IMPOSTOS    – Pago, logo exijo

IMPOSTOS    – Muito sacrifício e pouco beneficio

IMPOSTOS    – Dose Prá Leão

CURTAS & GROSSAS

E o cidadão?
O cidadão, como dizia aquele humorista antigo, “QUE SE EXPLUDA”

Se os contribuintes não se mobilizarem por efetiva austeridade nos gastos públicos, em vez de responsabilidade fiscal teremos a voracidade fiscal, porque quando o Estado gasta a sociedade paga.
A reforma tributária pode melhorar a qualidade da tributação, mas será inútil se a sociedade não controlar as despesas do setor público

O terror fiscal não gera desenvolvimento e faz com que o contribuinte adote caminhos paralelos e informais de sonegação – Ives Gandra da Silva Martins

Considero razoável que os agentes fiscais desconfiem dos contribuintes, pois sua função é obter receita, e, quando se tem uma carga tributária escorchante como a do Brasil, em país que presta sofríveis serviços públicos, a única forma de fazer o depauperado contribuinte cumprir as sufocantes obrigações fiscais é aterrorizá-lo com medidas totalitárias – Ives Gandra da Silva Martins

Dizia-se que o Brasil era “Belíndia” – a pequena Bélgica de riqueza cercada por uma pobreza de tamanho Índia. Agora, chama-se o Brasil de “Ingana”: impostos da Inglaterra, mas serviço público de Gana – Peter Collins

O contribuinte foi inteiramente ignorado até agora e nada indica que haja alguém com algum poder em Brasília interessado em ouvi-lo

Espertezas tributárias – Um dos aspectos mais perversos do sistema tributário brasileiro (se há algum mais perverso do que outro) é o imposto oculto que o cidadão paga, aquele que ele nem desconfia que está sendo cobrado numa conta, numa tarifa pública – José Marcio Mendonça

É preciso exigir mais eficácia e eficiência no gasto do setor público. Não basta não roubar. O Estado tem de gastar bem para poder arrecadar menos. Temos de ser mais intolerantes e indignados com o desperdício do nosso suor, que gera pobreza. É curioso, mas é uma bandeira tão fácil de empunhar  – Eduardo May Zaidan

Não dá para cochilar – Toda vez que dormimos no ponto, os “nossos representantes” nos esfaqueiam pelas costas (ou melhor, pelo bolso). E só se dignam a voltar atrás se gritarmos e espernearmos suficientemente. Ou seja, “o preço da liberdade é a eterna vigilância”, com o perdão do lugar-comum.

O extrativismo tributário não é caracterizado apenas pela estreiteza de seus objetivos. Um de seus atributos, no caso brasileiro, é a aceitação até de tributos ineficientes e potencialmente autodestruidores – desde que sirvam, a médio prazo, para fechar as contas federais. E depois? Depois o problema será dos outros – Rolf Kuntz

Ao aumentar tributos como forma de procurar pagar suas contas, os governantes fazem o que julgam correto. O papel da sociedade é sensibilizá-los e mostrar que contribuintes, pessoas físicas e jurídicas, têm um limite de contribuição. São estas pessoas, portanto, que têm não só o direito, mas a obrigação cívica de se mobilizar. É assim que se constrói a democracia – Percival Maricato

Se, como nos países ricos, os impostos fossem convertidos em serviços para a sociedade, e tais serviços fossem tanto melhores quanto maior fosse a carga tributária, ainda seria tolerável o crescimento ininterrupto da arrecadação no País. Mas o que os contribuintes recebem em troca de tanto tributo recolhido são serviços inexistentes em boa parte dos casos, ou de má qualidade na maioria deles. Basta ver o que ocorre numa área essencial para a garantia de uma vida minimamente condigna para o cidadão, que é a da segurança pública. Muito pouco do que se recolhe retorna como benefício para a sociedade

O apetite insaciável do Estado – A carga tributária é excessiva para um país do porte do Brasil, e a sua distribuição é escandalosa. Tudo isso poderia ter sido corrigido por uma reforma tributária consistente, que o governo preteriu em favor de um sistema anárquico, economicamente absurdo e socialmente injusto, mas que atende aos apetites insaciáveis da máquina estatal – Editorial Estadão

Não é mais possível aceitarmos, passivamente, que mais impostos sejam criados toda vez que o governo tenha algum gasto não previsto. E, se quisermos, um dia, ser considerados um país bem administrado, precisamos, também, trabalhar com pelo menos um olho voltado para o “controle de despesas”. – Alcides Amaral

Está em construção uma nova agenda brasileira, na qual o desempenho do governante será medido pela eficiência administrativa combinada com o respeito ao contribuinte. Ou seja, gastar melhor com menos dinheiro.

LINKS

Campanha Nacional da Justiça Fiscal – Quanto Custa o Brasil pra Você? Tem por objetivo conscientizar a população brasileira sobre a urgente necessidade de mudanças no sistema tributário e levar ao Congresso Nacional propostas de reforma tributária, no âmbito da redução da tributação indireta, contemplando a ampliação da base contributiva através do incentivo às atividades produtivas e do fortalecimento ao combate à sonegação fiscal

Impostômetro – O objetivo deste site é mostrar que todo cidadão, até mesmo aquele que atua na economia informal, paga imposto e é, portanto, um contribuinte. E que ser informado, de maneira transparente, sobre o quanto exatamente paga de impostos é um direito

Impostômetro de Bolso – Saiba quanto de imposto está embutido nos produtos que você compra por meio do código de barras utilizando o Impostômetro de Bolso no seu celular

 

 

 

Deixe uma resposta